slide4.png

A luz esplendorosa da Páscoa

Imprimir
Categoria: Notícias
Publicado em Domingo, 12 Abril 2020 Escrito por SDEC

A luz esplendorosa da Páscoa

1. O Evangelho da Páscoa (Jo 20, 1-9) principia por referir o início de um novo dia. É ainda escuro mas as trevas começam a dissipar-se quando Maria Madalena vai ao sepulcro. Parece um pormenor mas enquadra o que vai acontecer. Algo de estranho e inesperado: o sepulcro que tinha sido fechado com uma grande pedra estava aberto e vazio. Maria corre a contar a Pedro e a João. Eles correm também ao sepulcro. João chega primeiro mas, delicadamente, espera por Pedro para ser este a verificar. Nota-se alvoroço, perplexidade. Teriam roubado o corpo de Jesus? Parece ter sido a primeira hipótese que veio à mente destes Seus amigos íntimos. A perspetiva da Ressurreição estava, portanto, ainda longe deles.

Pedro entra no sepulcro e permanece dentro sem nada dizer. João, que esperava fora, estranhou o silêncio e entrou também. O que viu? O vazio e, ao mesmo tempo, as ligaduras e o sudário arrumados. O que viu levou-o a ter um primeiro palpite de que algo de novo e misterioso tinha acontecido: “viu e acreditou”, confessa no evangelho. Mas é apenas o início pois, como confessa também, ainda não tinham entendido a Escritura segundo a qual Jesus devia ressuscitar dos mortos. O que viu foi apenas um sinal pois o sepulcro vazio não prova mas desperta. O amor que tinha pelo Mestre e a escuta das Escrituras, à luz desta experiência inicial, vão desenvolver nele a fé.

2. A fé na Ressurreição está para além da nossa compreensão e da nossa experiência humana. Por isso, perante este mistério, a reação de muitos dos nossos contemporâneos, marcados pelo racionalismo, é semelhante à dos Atenienses quando ouviram o Apóstolo Paulo pregar este acontecimento: troçaram e não o levaram a sério. Mas acreditar está ao alcance de quem escuta as Sagradas Escritura com o coração (com o afeto de João) e presta atenção aos sinais que, ao longo destes dois mil anos, são abundantes e visíveis na Igreja. A começar pelo testemunho simples e firme dos apóstolos. A forma transparente e concreta como pregavam (1ª leitura), a transformação das suas vidas e a própria entrega à morte, dão credibilidade ao anúncio deles. Ninguém muda de vida nem se entrega à morte por uma ilusão ou por uma invenção.

3. O Mistério Pascal é o centro da nossa fé e deve determinar a nossa forma de ver a realidade, de viver e de morrer, “afeiçoando-nos às coisas do alto e não às da terra” (2ª leitura). Páscoa significa passagem de uma situação para outra, concretamente da morte para uma nova vida. Aconteceu com Cristo e acontece com os crentes. Jesus não regressou à vida anterior mas, por obra do Espírito Santo, tornou-se o Novo Adão, início de uma nova humanidade. Viver a ressurreição é para nós renascer como novas criaturas pelo Batismo, integrar este povo novo, guiando a vida pelo Espírito e não pelos critérios do mundo, renunciando a nós mesmos para alcançarmos a liberdade de Filhos de Deus. A própria cruz da morte e do sofrimento, como o da pandemia que nos assola, são entendidos e geridos à luz esplendorosa da Páscoa. Aleluia.

D. Manuel Pelino

I like very much this iPage Hosting Review because this is based on customer experience. If you need reliable web hosting service check out top list.
Joomla Templates designed by Best Cheap Hosting