slide1.png

Mensagem de D. Virgílio para a Quaresma 2024

Imprimir
Categoria: Notícias
Publicado em Terça, 13 Fevereiro 2024 Escrito por SDEC

BISPO DE COIMBRA
MENSAGEM PARA A QUARESMA DE 2024
“COM MARIA, SEGUIMOS JUNTOS, A CAMINHO DA LIBERDADE”

Irmãos e irmãs!

Nesta Quaresma, recordamos o lema do nosso ano pastoral: “Com Maria, seguimos juntos... O caminho continua”. A Virgem Maria reúne no seu coração de mãe todos os anseios e esperanças de liberdade do Povo de Israel e dispõe-se interiormente a acolher Jesus, o Homem livre, que traz a força da liberdade a todos os povos.

A Virgem Maria reúne igualmente no seu coração o desejo de liberdade do Novo Povo de Deus, abarcando os sonhos de liberdade da humanidade do nosso tempo. Ela reúne as esperanças antigas do povo a quem Deus se revela como Libertador e as esperanças da atualidade, onde abundam os sinais da escravidão pessoal, comunitária, social, religiosa, política ou de qualquer outro género.

Para o coração de Maria conflui toda a humanidade de filhos e filhas, que aguardam a sua libertação e encontram em Jesus, o fruto sagrado do seu seio, o caminho da sua vida. Ela apresenta-nos sempre Jesus como o centro da sua vida e convida-nos a fazer de Jesus o caminho da nossa vida.

No mistério da encarnação, Maria ensina-nos a sermos livres no acolhimento da vontade de Deus, manifestada pelo Espírito Santo, que a cobre com a Sua sombra; em Caná, aponta-nos o caminho da liberdade, quando nos convida à obediência de Jesus: “fazei o que Ele vos disser”; aos pés da cruz, mostra-nos como a oferta da nossa vida em favor dos irmãos é o caminho da liberdade; no Pentecostes, volta a dizer, que o nosso caminho pessoal e o caminho da Igreja livre, nasce da inspiração do Espírito Santo.

Incluímos na vivência da nossa Quaresma o desafio lançado pelo Papa Francisco na sua mensagem para toda a Igreja: “Através do deserto, Deus guia-nos para a liberdade”.

Ser livre consiste em sair de si mesmo para viver e agir com o coração centrado em Deus e centrado nos outros. Se ficamos centrados em nós, tornamo-nos individualistas e solitários; se nos focamos somente em Deus, podemos tornamo-nos espiritualistas e a viver uma religiosidade desencarnada; se nos voltamos somente para os outros, podemos tornar-nos materialistas.

A fé cristã ensina-nos a permanecer em Deus, sempre a caminho dos irmãos, a construirmos a nossa liberdade, amparando a construção da liberdade dos outros. A espiritualidade cristã leva-nos a ouvir a voz do Espírito que nos conduz a Jesus, Deus e Homem, que oferece a Sua vida em resgate de todos os que são prisioneiros do mal a fim de sermos livres com todos os que nos foram dados como irmãos.

A Quaresma é o tempo favorável que Deus nos oferece cada ano para fazermos caminho com Maria ao encontro de Jesus e dos irmãos. Sendo tempo de graça, é, também tempo de deserto, de silêncio orante, que nos faz escutar a voz de Deus e o grito dos irmãos. A Sagrada Escritura, lida, meditada e rezada, conduz-nos ao coração de Deus, que nos quer ver felizes; os “sinais dos tempos” que correm, conduzem-nos a conhecer as alegrias e dores do próximo, que o mesmo Deus ama e deseja ver livres e salvos.

O mundo em que vivemos continua a ser um grande deserto de homens e mulheres que suspiram pela liberdade dos filhos de Deus. Os sinais são evidentes e vão desde as escravaturas interiores até às atrocidades das corrupções, das guerras, das injustiças e das ausências de amor que matam o corpo e o espírito.

Não temos a ilusão de pensar que mudaremos o mundo de um momento para o outro, mas acreditamos que as sementes de transformação da sociedade nascem dentro de nós, quando nos abrimos para sair e acolher Deus e para encontrar os irmãos. Sejamos muitos ou poucos, não desistimos de manter bem vivas essas sementes de Deus e de verdadeira humanidade, que hão de florescer no meio do deserto da vida. Aquele Jesus que Maria nos trouxe e que a Igreja nos dá, ofereceu-Se a Si mesmo e inaugura o mundo novo e a humanidade nova, que amamos e não nos permite desistir.

Tudo pode começar ou ter continuidade dentro de nós, nesta Quaresma, se pedimos um coração novo e um espírito novo, na liberdade e na fidelidade de filhos de Deus e irmãos de todos os homens.

Sugiro três dimensões para este caminho quaresmal:
Procuremos um encontro com Deus, mais intenso, livre e disponível, por meio da oração, da participação na liturgia, da leitura orante da Palavra de Deus, dos momentos de piedade propostos pelas comunidades.

Procuremos o encontro com toda a humanidade pela via da solidariedade autêntica e da proximidade humana e espiritual, unindo-nos nas alegrias e dores a todos, pessoas ou povos, que sofrem qualquer forma de escravidão.

Procuremos libertar-nos de todas as formas de escravidão, que diariamente nos assaltam, para vivermos na liberdade de filhos de Deus.

Este ano o produto da nossa renúncia quaresmal divide-se em duas partes: uma para ajudar as vítimas da guerra na Faixa de Gazas; a outra para ajudar o Instituto Universitário Justiça e Paz da Diocese de Coimbra, a nossa Casa dos Jovens.

Convido os jovens a serem protagonistas de uma humanidade nova por meio da resposta a Cristo que os ama e lhes oferece os caminhos da libertação que procuram. Repito-lhes o apelo que a nossa Igreja Diocesana de Coimbra lhes faz, com muita esperança na sua capacidade de serem os primeiros na renovação da humanidade: “Jovem, levanta-te. Cristo vive”. Peço-lhes que acolham as propostas que o Serviço Diocesano da Juventude lhes dirige para esta Quaresma, pois a Jornada Mundial da Juventude continua a ser para eles um apelo de Deus.

Desejo a todos uma santa Quaresma, que seja caminho de conversão a Deus e caminho de amor aos irmãos, sempre com Maria que, como Mãe, nos leva a seguimos juntos.

Virgílio Antunes, Bispo de Coimbra

I like very much this iPage Hosting Review because this is based on customer experience. If you need reliable web hosting service check out top list.
Joomla Templates designed by Best Cheap Hosting