slide1.png

Resumo da 3ª Conferência

Imprimir
Categoria: Notícias
Publicado em Quinta, 16 Março 2023 Escrito por SDEC

Aprender com os apóstolos a transmitir a fé

Resumo do 3º encontro

1.A evangelização deve ter em conta a cultura dos destinatários
A evangelização encarna-se na cultura dos ouvintes. Vemos esta pedagogia particularmente no discurso de Paulo em Atenas.

Do livro dos Atos dos Apóstolos Atos 17, 16-34
Enquanto Paulo os esperava em Atenas, o espírito fremia-lhe de indignação, ao ver a cidade repleta de ídolos. 17Discutia na sinagoga com os judeus e prosélitos e, na praça pública, todos os dias, com os que lá apareciam. 18Até alguns filósofos epicuristas e estóicos trocavam impressões com ele. Uns diziam: «Que quererá dizer este papagaio?» Outros: «Parece que é um pregoeiro de deuses estrangeiros.» Isto, porque Paulo anunciava a Boa-Nova de Jesus e a ressurreição. 19Levaram-no com eles ao Areópago e disseram-lhe: «Poderemos saber que nova doutrina é essa que ensinas? 20O que nos dizes é muito estranho e gostaríamos de saber o que isso quer dizer.» 21Na verdade, tanto os atenienses como os estrangeiros residentes em Atenas não passavam o tempo noutra coisa, senão a dizer ou a escutar as últimas novidades.

Discurso no Areópago - 22De pé, no meio do Areópago, Paulo disse, então: «Atenienses, vejo que sois, em tudo, os mais religiosos dos homens. 23Percorrendo a vossa cidade e examinando os vossos monumentos sagrados, até encontrei um altar com esta inscrição: ‘Ao Deus desconhecido.’ Pois bem! Aquele que venerais sem o conhecer é esse que eu vos anuncio. 24O Deus que criou o mundo e tudo quanto nele se encontra, Ele, que é o Senhor do Céu e da Terra, não habita em santuários construídos pela mão do homem, 25nem é servido por mãos humanas, como se precisasse de alguma coisa, Ele, que a todos dá a vida, a respiração e tudo mais. 26Fez, a partir de um só homem, todo o género humano, para habitar em toda a face da Terra; e fixou a sequência dos tempos e os limites para a sua habitação, 27a fim de que os homens procurem a Deus e se esforcem por encontrá-lo, mesmo tateando, embora não se encontre longe de cada um de nós. 28É nele, realmente, que vivemos, nos movemos e existimos, como também o disseram alguns dos vossos poetas: “Pois nós somos também da sua estirpe”’ 29Se nós somos da raça de Deus, não devemos pensar que a Divindade é semelhante ao ouro, à prata ou à pedra, trabalhados pela arte e engenho do homem. 30Sem ter em conta estes tempos de ignorância, Deus faz saber, agora, a todos os homens e em toda a parte, que todos têm de se arrepender, 31pois fixou um dia em que julgará o universo com justiça, por intermédio de um Homem, que designou, oferecendo a todos um motivo de crédito, com o facto de o ter ressuscitado de entre os mortos.» 32Ao ouvirem falar da ressurreição dos mortos, uns começaram a troçar, enquanto outros disseram: «Ouvir-te-emos falar sobre isso ainda outra vez.» 33Foi assim que Paulo saiu do meio deles. 34Alguns dos homens, no entanto, concordaram com ele e abraçaram a fé, entre os quais Dionísio, o areopagita, e também uma mulher de nome Dâmaris e outros com eles.

2. Sinais de Deus que podem ajudar os atenienses a acreditar
Paulo procura conhecer o terreno e escutar as pessoas. Inicia com uma saudação positiva de forma a captar a benevolência. Deus é o Criador do universo e o autor da vida humana (Sl 8). Está próximo, n’Ele vivemos, nos movemos e existimos. O Deus desconhecido, próximo e distante, mostrou o seu rosto na história de Jesus de Nazaré, sobretudo na sua morte e ressurreição. Leva a compreender o Crucificado na luz da Ressurreição, no contexto da esperança de uma nova vida.

3. A Igreja como sinal fundamental?
O Concílio Vaticano II, apresenta a Igreja como sacramento ou sinal fundamental (LG 1). Sê-lo-á? A sua vida, a caridade, a liturgia, o canto, a atividade social, são sinais? Os numerosos santos, falam do mistério de Deus. Segundo o Papa Francisco, neste mundo doente a Igreja, para ser sinal de Cristo, precisa de se tornar “um hospital de campanha”. Deste modo, não pode imitar-se a ser uma Igreja de missas e de manutenção. Mas sinal e instrumento de cura, de solidariedade, de unidade e de fraternidade entre os homens.

4. O sinal das Igrejas vazias
As Igrejas vazias não mostrarão o vazio do cristianismo? Revelam que temos cultivado um cristianismo exterior, de celebração de sacramentos, de presença nas grandes celebrações, certamente com aspetos positivos, mas insuficientes para orientar a vida cristã de discípulo e missionário. Muitos cristãos instalados nos mínimos (“já tirei os sacramentos”), vão depois abandonando a prática e acabam por se confessar agnósticos.
- Como promover a fé pessoal e adulta dos nossos cristãos?

5.Sinais de procura
Bastantes pessoas, concretamente jovens, encontram resposta à procura de espiritualidade, identidade, integração e relação comunitária em grupos e movimentos católicos (Taizé; Convívios Fraternos; Missão País).
- Como fomentar estes grupos? (bíblicos, de ação social; de encontro e diálogo) relacionados com a comunidade

6.Que aprendemos com os apóstolos e com São Paulo na evangelização?
• - A nível de escuta, do acolhimento e da captação da benevolência? Que sinais de Deus descobrimos na nossa civilização? Como pode o catequista ler e ajudar a ler estes sinais?
• - Como ultrapassar a falta crónica de recursos humanos e pastorais (falta de padres e de colaboradores)? Como pode a sinodalidade responder a esta dificuldade?
• - Como promover uma experiência pessoal de encontro com o Senhor e de oração para vencer o cristianismo vazio e exterior?
• - Como despertar a família para a educação dos filhos e envolver a comunidade cristã nesta missão? • - Exemplos de evangelização e encarnação nas culturas.

I like very much this iPage Hosting Review because this is based on customer experience. If you need reliable web hosting service check out top list.
Joomla Templates designed by Best Cheap Hosting